Google+ Badge

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Pilar 7 da Ponte 25 de Abril...


Ontem foi dia de subirmos ao novo miradouro de Lisboa, o
Pilar 7 da Ponte 25 de Abril...

Tem alguma emoção, pisar aquele pedacinho de chão em vidro,
sabendo que estamos a 80 metros de altura em relação ao solo,
mas quem como eu já pisou o do Cabo Girão,
na Ilha da Madeira, a 580 metros de altura,
 também pisa este.
 É uma varanda tão pequena, 
que fiquei desapontada.

Como miradouro - "sabe a muito pouco"...
pois o facto de estar colado ao tabuleiro da ponte,
condiciona a vista, não deixando ver as docas,
tão pouco a ponte em toda a sua extensão - o que é uma pena.
A pouca vista que teríamos sobre Belém,
também foi condicionada pela hora,
pois o sol põe-se desse lado e impediu a boa visibilidade.

Melhor foi a  experiência como centro interpretativo,
pois ao longo do percurso é contada a história da construção
desta belíssima Ponte sobre o rio Tejo
que une Lisboa a Almada 
e facilita a vida de todos nós.

Catorze pilares, 2 278 metros de comprimento,
54 196 Km de fio de aço para sustentação e amarração
e uma altura de 190 m, estando o tabuleiro a 80 m.

A visita começa com inscrições em discos metálicos,
cravados no chão, com desenhos da ponte, datas
 e indicação do percurso. 

A primeira sala tem uma maqueta e a história da ponte.
Segue-se a sala dos trabalhos,
com projecção de imagens da construção
e sons alusivos.

Numa câmara onde dá a ilusão de estarmos submersos,
apanhamos um elevador 
que nos leva ao piso seguinte,
 onde podemos visitar duas salas gémeas,
e através de vidros ver os principais cabos de amarração 
que sustentam a ponte.

Subindo a um piso intermédio, 
temos uma sala de espelhos,
que cria a ilusão de profundidade e nos baralha a mente.

Segue-se o elevador e o acesso ao miradouro.

Por fim a realidade virtual,
para quem quiser acrescentar 1,5€ aos 6€ da entrada.

Uma visita interessante a um lugar 
que estava reservado apenas 
às equipas técnicas e de manutenção.























Benvinda Neves


(Foto da amiga Belinha, em modo automático)